domingo, 1 de maio de 2011

[...]


...
Ainda era cedo, mais eu já não aguentava estar deitada na mesma cama que você .Levantei-me sem a mínima preocupação de não te acordar, vi as calças e meu vestido da noite anterior embrulhados no chão e os sapatos jogados, longe um do outro. Pus-lhe as mãos nos bolsos e encontrei um maço com dois cigarros. Abri a janela e fitando o horizonte, acendi um, deixei-me perder por um instante. Olhei-te com desdém, já não eras absolutamente nada. E nenhum significado tinhas pra mim. Ri-me, simplesmente. Não me preocupei com o corte que tinha no dedo, com o horário, nem com o rímel borrado que ainda tinha nos olhos.Vesti meu vestido e prendi o cabelo. Guardei as chaves do carro no bolso da jaqueta azul e pus os óculos de sol. Deixei a porta bater.
Desta vez, não esperei por ti.

5 comentários:

  1. Interessante.. soturno... tenho um blog tbm, se quiser, passa lá! BOA SEMANA!

    ResponderExcluir
  2. TO SEGUINDO O SEU BLOG, SE CURITR O MEU SEGUE TBM!

    ResponderExcluir
  3. Como gosto destas curta cenas, que transportam sem precisar levar...

    beijo, beijo, beijo.

    ResponderExcluir
  4. Desta vez, a porta bate em direcção a uma nova etapa.

    Kiss*

    ResponderExcluir

e me disseram...